Soldiers Under Command é o primeiro álbum de estúdio da banda Stryper, que é considerada a principal banda de White Metal da história

No último dia 15 de maio, o álbum Soldiers Under Command da banda Stryper completou 35 anos de existência. Esse é o segundo trabalho da banda sendo o primeiro em estúdio e conta com 10 poderosas faixas que oferecem uma experiência de 45 minutos de muito qualidade através do Hard Rock, Heavy Metal e Glam Metal.

STRYPER SOLDIERS UNDER COMMAND 12" VINYL LP | STRYPER SOLDIE… | Flickr

A banda Stryper já tinha iniciado sua trajetória 2 anos antes com o EP The Yellow and Black Attack, mas seu grande sucesso se deu através do álbum Soldiers Under Command. Esse trabalho foi gravado pela Enigma Records com uma produção de Michael Wagener, e foi o primeiro álbum de metal cristão a alcançar disco de ouro, vendendo mais de quinhentas mil cópias.

Um trabalho de tamanha grandeza merece uma analise a altura, e hoje vamos analisar cada faixa desse trabalho que deu voz a uma das grandes bandas da historia.

Faixa a faixa

1 – SOLDIERS UNDER COMMAND

O álbum começa com a faixa que leva o nome desse trabalho. Soldiers Under Command começa com um riff avassalador iniciado pelos dois grandes guitarristas, Oz foz e Michael Sweet. O riff se completa com um solo melódico de fácil acompanhamento vocal, que é demostrado pelo Michael.

A voz do Michael Sweet é inconfundível, e ao iniciar as primeiras frases você já sente que esta sendo executada uma obra de arte. A música mantem uma levada bem heavy metal até chegar no refrão. Além de mexer no andamento dos instrumentos mas permanecendo no tempo 4/4, as vozes se unem para gritar “Soldiers”. Destaque para as belas viradas de bateria de Robert Sweet.

O solo dessa música se baseia em uma grande característica do Stryper, que são os revezamentos de guitarras e os duetos. O solo começa pelo Michael Sweet, passa para o Oz fox e após esse jogo de guitarras finaliza com um dueto muito bonito até retornar para o riff principal.

Essa musica demostra um trabalho instrumental sensacional e de difícil destaque individual. A bateria executada pelo Robert Sweet é um trabalho exemplar, com clássicas viradas que diversas vezes são acompanhadas pela guitarra. As guitarras e o contrabaixo com diversos riffs durante a música, uma sincronia digna do Stryper.

A música tem uma letra bem direta sobre sermos soldados sob o comando de Deus. E seguindo esse contexto ela cita guerras, que temos a espada de 2 gumes em nosso favor, e que lutamos contra o pecado.

2 – MAKES ME WANNA SING

A segunda faixa se chama Makes Me Wanna Sing. Essa é uma música um pouco mais reta e com menos brilho que a anterior, porém continua sendo um clássico.

Um Riff bem simples se inicia e compõe praticamente toda a levada da música. Talvez o único diferencial da parte instrumental dessa música seja o solo.

A sonoridade explorada para o solo se difere da música, que junto com a execução majestosa de Oz fox faz com que o solo seja um dos pontos fortes dessa música.

Agora sobre a letra, temos uma linda declaração que está no nome da música: “Me faz querer cantar”. Essa música é praticamente um convite pra diversão, e nesse caso a diversão a cantar, gritar e dançar por Jesus.

3 – TOGETHER FOVERER

Um grito de “juntos para sempre”, um riff de guitarra e diversas viradas de bateria. Todo mundo tem sua participação ao iniciar Together Foverer, e isso vai aparecer tem no vocal, que vamos falar logo mais.

Essa é uma música um pouco mais “dançante” que as anteriores e tem uma harmonia muito bonito ao chegar no coro, que por sinal tem um back vocal perfeito, uma soma de vozes que por vezes o Stryper explora nas suas musicas.

Os vocais auxiliares também aparecem na segunda estrofe da música. Na verdade os arranjos do back vocal dessa música são perfeitos. Cada voz no seu devido lugar, sem excessos e que deixa essa música muito bonita.

A mensagem da música é que vamos viver felizes, juntos eternamente e essa felicidade não nos deixa parado.

Já conhece o canal Under Martyrs?

4 – FIRST LOVE

Momento calmo, quase romântico e pra se fechar os olhos e viajar em First Love. Temos agora uma presença do teclado e um contrabaixo muito mais presente, que somado a uma voz calma preenche uma canção sobre diversos destaques sobre o primeiro amor.

Essa não é uma canção para muita analise técnico, mas que vem trabalhando uma carga sentimental muito forte ao ser ouvida. Para não perder o costume, também conta com um solo de guitarra e um backvocal muito presente no coro final.

5 – THE ROCK THAT MAKES ME ROLL

Voltamos pro rock. Ao chegar na quinta música do Soldiers Under Command você começa a se familiarizar com algumas particularidades que o Stryper leva em todo o seu trabalho.

A música The rock that makes roll se inicia com um bom riff, uma bateria muito presente acompanhada pelo contrabaixo, e muita energia.

Uma sequencia de acordes abafados e soltos, a grande voz aguda de Michael e a constância na bateria de Robert Sweet dando o andamento da música. Essa também é uma daquelas músicas um pouco mais retas, mas sem perder a qualidade.

Se você achou que não ia ter solo, achou errado. Ele está presente no 2:45min mas dessa vez sem um grande destaque. Não tivemos uma grande melodia, uma grande criatividade.

Sobre ser uma música cheia de energia, talvez isso também tenha ligação com a letra. Nessa letra o Stryper declara que Deus é o nosso rock, que não precisamos de drogas e que Deus nos da coragem, basicamente uma declaração que levamos até hoje entre as bandas de rock cristão.

6 – REACH OUT

“Eu alcanço, Você alcança, Ele alcançará hoje”

Diminui o peso, aumenta a levada, e vamos de Reach out. Pra variar mais um clássico da banda Stryper, e desse vez temos uma letra um pouco mais good vibes na sua tradução.

Acho que toda banda tem aquela sua musica de auto ajuda, onde é cantado que você vai conseguir e a música vai te dando uma injeção de animo. Em uma só voz a banda canta diversas vezes exatamente isso.

Pra quem é fãs de solo de guitarra, o álbum Soldiers Under Command do Stryper é uma obra de arte. Talvez pra alguns soe um certo exagero pela quantidade de solos no CD, mas isso é uma característica do estilo e da banda.

Reach Out – Legendado

Talvez a parte mais bonita dessa música seja a reta final. Temos um belo coral de vozes juntamente cantando o refrão. Logo em seguida o contrabaixo chega somando ferozmente. Já no minuto final temos um solo muito bonito e mais trabalhos vocais muito harmoniosos que dão a música um ótimo final.


• LEIA TAMBÉM: NOVA MÚSICA DO STRYPER A CAMINHO (CLIQUE AQUI)

7 – A LOVE THAT’S REAL

A love thats real conta uma história. Uma pessoa que agora esta esperando um amor real, que virá do céu. Essa é mais uma daquelas músicas não muito arranjadas do CD.

Sei que isso é difícil de escrever, mas talvez essa seja a música mais difícil de se ouvir até o final, e eu sei como isso é arriscado de opinar sobre uma banda lendária.

Pra salvar a canção, fora a letra temos um solo muito bonito que se inicia após um belo coral de vozes. Porém pesar das criticas os pontos característicos da banda nunca deixam a desejar.

8 – TOGETHER AS ONE

Em mais um momento de reflexão, com menos rock e um inicio encantador de voz e teclado, assim começamos a ouvir Together As One.

No geral a música entra no time das músicas mais simples do CD, mas diferente das outras, essa parece ser a proposta da mesma.

A melodia toma conta da sua mente ao chegar no refrão, temos nesse momento uma das ótimas execuções vocais do Michael Swett. No momento em que você mais se encontra envolvido com a letra da canção, entra um solo melódico dando continuidade a essa experiencia.

Sobre a letra, a música fala sobre união.Um convite para os cristãos serem um, agora juntos vamos brilhar pela eternidade. Together As One é uma bela balada, uma canção que apesar de não ter um grande destaque, tem seu papel preenchido no álbum.

9 – SURRENDER

Chegamos na penúltima música do álbum com Surrender. Essa música volta a ter uma presença bem forte da bateria em um trabalho magnifico de Robert Sweet desde a introdução.

Outro destaque é o solo de guitarra arrebatador. Na verdade essa música com 2 solos, sendo o primeiro com aproximadamente 51 segundos, o que faz ser o maior solo do álbum.

Sabe aquele no momento no final do culto onde diversos pastores fazem o apelo pra você aceitar Jesus? É isso. Surrender é o apelo do Stryper no álbum Soldiers Under Command, e você confere isso lendo a tradução, se liga:

Surrender – legendado

“Jesus Cristo é aquele que ama sua alma
E Ele quer te dar tudo o que você precisa
Então renda-se voluntariamente
Para o Rei”

10 – BATTLE HYMN OF THE REPUBLIC (GLORY, GLORY, HALLELUJAH)

Você ai que acha que o Oficina g3 surpreendeu com sua versão de “glória glória aleluia” ? Senta aqui e vamos conversar.

Chegamos na última música do CD e temos um grande clássico da música cristã. Essa música foi composta em 1861 pela Julia Ward Howe e se tornou muito popular durante a guerra civil americana. Provavelmente você conhece ela através da Harpa Cristã numero 525, e é um dos maiores clássicos cristão.

Essa versão da banda Stryper ficou muito famosa durante sua carreira e é reconhecida por todos com uma das mais bonitas da história.

Ela se inicia com a potente com uma das grandes vozes do white metal, porém o auge acontece ao se unir com os demais instrumentos após pouco mais de 1 minuto de musica. É impossível não se arrepiar com essa versão.

Se existia uma forma melhor de terminar um trabalho dessa grandeza, desconheço.

E assim terminamos essa humilde analise de um dos trabalhos mais respeitados do Stryper. Essa matéria comprova que a qualidade do Stryper é atemporal, e que de fato essa banda ranqueia entre as maiores da historia.

E caso você não saiba, nos temos um episódio no Rcast – O podcast do Rock Cristão onde falamos de toda a carreira da banda. Já ouviu?

Ouça agora:

Deixe seu comentário no final dessa publicação, e divulgue para os seus amigos que também curtem a banda Stryper. Você também pode receber nossas atualizações direto no seu whatsapp – clique <AQUI> e cadastre-se.