Avant-thrash multicontinental

O AZUSA é um daqueles grupos que, embora ainda não seja tão conhecido, já nasceu grande devido à bagagem musical de seus membros.

Formado por Christer Espevoll (guitarra) e David Husvik (bateria), ex-membros do Extol, aclamada banda de metal progressivo norueguesa, que iniciou suas atividades em 1993, o AZUSA mescla com maestria sonoridades tão diferentes quanto thrash metal, jazz fusion, hardcore e música pop dos anos 90, ao passo que os solos, algumas vezes, bebem do power metal dos anos 80/90.

Mas não é só isso; riffs de guitarra no estilo Iron Maiden e passagens de metal atmosférico também podem ser ouvidas aqui e ali.

Essa combinação sonora, aliada a intrincadas mudanças de tempo, resulta em um som único, de extrema complexidade, pesado, rápido, ao mesmo tempo que não deixa a técnica de lado.

A própria banda define o seu estilo como “avant-thrash”.

A formação é completada pelo baixista Liam Wilson (The Dillinger Escape Plan, Starkweather) e pela vocalista Eleni Zafiriadou (Sea + Air).

Quem é fã do Sea + Air deve se lembrar da voz doce e suave de Eleni.

É fato que essa doçura aparece de vez em quando por aqui, mas, em geral, no AZUSA ela abusa da agressividade, com vocais fortes e guturais no melhor estilo death metal, mas, ao mesmo tempo, sem perder em nada a feminilidade.

AZUSA é uma daquelas bandas que já nascem grandes.
Azusa
Créditos da Imagem: Simon Skredderne

O AZUSA escreve letras que nos fazem pensar…

As letras abordam a temática cristã de forma subjetiva, seguindo o estilo de bandas como Skillet, e é preciso pensar “fora da caixa” para contextualizá-las.

O debut Heavy Yoke foi lançado em 2018, e a música tema já mostra claramente a que o grupo veio.

Loops of Yesterday, o segundo trabalho, lançado em 2020, mantem o peso e a velocidade, mas acrescenta momentos etéreos, como a própria canção tema, que destoa do restante e soa como uma singela oração.

Já a música de abertura “Memories of An Old Emotion” é um resumo da evolução da banda nesses dois anos de existência, intercalando momentos de extrema agressividade sonora, em que a bateria cadenciada lembra os primórdios do Sepultura, com passagens lentas e melódicas.

Em suma, o AZUSA faz um trabalho que vale muito a pena conferir, metal cristão da melhor qualidade, e eu pretendo acompanhar a carreira do grupo atentamente!

Discografia

Álbuns

Heavy Yoke (2018)
Loops of Yesterday (2020)

Singles

Heavy Yoke (2018)
Interstellar Islands (2018)
First Lines (2018)
Heart of Stone (2018)
Memories of An Old Emotion (2020)
Monument (2020)

COMPARTILHAR
Artigo anteriorMAURO HENRIQUE: SUA TRAJETÓRIA NO OFICINA G3
Próximo artigoLIQUENS: GOTHIC METAL BRAZUCA
Pastor Kleber Pedroso
Eu sou um "pastor diferentão", que detesta usar terno e gravata, acredita no rock, no rap, na dança, no grafite, na poesia e nas artes em geral como formas de louvar a Deus, e que igreja sem ações sociais não é igreja. Graduado como Tradutor/Intérprete, pós-graduado em Gestão Estratégica de Pessoas e cursando uma segunda pó-graduação em Estudos no Novo Testamento. Pastor-auxiliar na Igreja Quadrangular Família Global - Sede, São Paulo - SP, pretendo abrir uma filial chamada "LouvArte Família Global".